segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Preparando-se para o Casamento – Relações Sexuais no Casamento


“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei!” – Hebreus 13:4-5
É interessante que Hebreus coloque o dinheiro e o leito conjugal lado a lado. Eu duvido que isto seja uma coincidência, uma vez que a maioria dos conselheiros hoje colocam o dinheiro e as relações sexuais perto do topo de suas listas de possíveis problemas no casamento. Concordância com relação ao dinheiro é importante e a harmonia no leito conjugal não parece ser algo que se constrói com facilidade. Nosso foco neste capítulo será as relações sexuais no casamento, não o dinheiro.
                “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. O seja, que as relações sexuais no casamento sejam mantidas puras, limpas, imaculadas. Todos esses termos como “sem mácula”, “puro”, “limpo”, “imaculado” são simplesmente visuais ou metáforas tangíveis de uma exigência moral, a saber, não pecar em suas relações sexuais no casamento. Mas o que é pecado? Pecado é qualquer ato ou atitude que desagrade a Deus. Mas penso ser muito útil nos concentrarmos na natureza essencial do pecado em sua relação com a grande força favorável na vida cristã, a saber, a fé. Hebreus 11:6 diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus.” Isso implica duas coisas:
  1. Uma vez que pecado é tudo o que desagrada a Deus e uma vez que sem fé é impossível agradar a Deus, então, se você não tem fé, tudo o que você faz é pecado, porque tudo o que você faz desagrada a Deus.
  2. Isto sugere muito fortemente que deve haver uma conexão muito próxima, talvez causal, entre a falta de fé e o pecado. E Romanos 14:23 confirma tal conexão. A passagem diz: “Tudo o que não provém de fé é pecado.” Em outras palavras, a natureza essencial destas ações e atitudes que chamamos de pecado é que elas não são estimuladas ou motivadas por um coração de fé. O que torna uma atitude ou ato desagradável a Deus é que ela não nasce da fé em Deus. O pecado é mau precisamente em sua falha em ser produto da fé.

Fé, Pecado, e Relações Sexuais no Casamento

Precisamos esclarecer como é que nossas ações vêm “de fé” ou não. Em primeiro lugar, o que é esta fé que produz atitudes e ações que não são pecado? Hebreus 11:1 diz: “A fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.” Em outras palavras, fé é a confiança que sentimos nas boas coisas que Deus prometeu fazer por nós amanhã e até a eternidade. Não podemos vê-las, mas a fé é a certeza de que as promessas nas quais esperamos se realizarão. Hebreus 11:6, mencionado antes, diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.”
                Em outras palavras, a fé que agrada a Deus é nossa vinda a ele com a confiança de que, talvez contrário a todas as aparências, ele nos recompensará com as boas coisas que ele prometeu.
                Agora, como tal fé produz atitudes e atos que não são pecado? Volte comigo a Hebreus 13:5. “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes”. A avareza, ou o amor ao dinheiro, é um desejo que desagrada a Deus; é pecado. 1 Timóteo 6:10 diz: “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”. Ora, o antídoto para este amor pecaminoso e todos os males que nascem dele é o contentamento: “Contentai-vos com as coisas que tendes”. Mas o escritor não nos deixa aqui sozinhos para de alguma maneira exacerbarmos o contentamento. Mas ele continua para dar uma base par ao contentamento: “Porque [Deus] tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.” A base para o contentamento é a promessa do auxílio infalível e da comunhão de Deus. A promessa é tirada de Deuteronômio 31:6: “Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque o SENHOR, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.”
                Então o escritor de Hebreus está dizendo isso: Deus fez promessas tão reconfortantes, tranquilizantes, e que inspiram esperança em sua Palavra que, se tivermos fé nestas promessas, teremos contentamento. E o contentamento é o antídoto para o amor ao dinheiro que é a raiz de todos os males.
                Agora podemos ver mais claramente como uma ação ou atitude vem “de fé” ou não. Se não temos fé, se não confiamos na promessa de que Deus “não nos deixará, nem nos desamparará”, então nos sentiremos ansiosos e inseguros, e o poder enganoso do dinheiro de comprar segurança e paz será tão atraente que começará a produzir outros males em nós. Estaremos inclinados a roubar, ou mentir em nossas declarações de imposto de renda, ou racionalizar porque não deveríamos estar contribuindo generosamente com a igreja, ou convenientemente esquecer de um débito que temos com um amigo, ou recusar gastar qualquer dinheiro para tornar nosso imóvel alugado mais habitável, etc., etc. Os males que vêm do amor ao dinheiro são intermináveis. E a razão pela qual estes males são pecado é que eles não vêm de fé.
                Se tivermos fé na promessa de que Deus “não nos deixará, nem nos abandonará”, então seremos livres da ansiedade e insegurança que implora por mais dinheiro, e teremos vitória sobre os pecados que são resultado do amor ao dinheiro. Se você está contente em Cristo, descansando na promessa de que Deus sempre lhe ajudará e estará ao seu lado, então a compulsão a roubar e mentir em sua declaração de imposto de renda, a avareza nas suas ofertas, a negligência com suas dívidas, e sua tirania contra senhorios pobres irão embora. No lugar estarão um dia de trabalho honesto, total precisão na declaração de imposto de renda, generosidade à igreja, fidelidade ao pagar dívidas, e o agir com seus senhorios como você gostaria que eles fizessem com você. E todo esse novo comportamento não será pecado, mas justo, porque vem da fé na promessa criadora de esperança de Deus.
                Agora, só para o caso de você ter perdido a conexão entre tudo isso e as relações sexuais no casamento, vamos voltar e pegar o fio da meada. Hebreus 13:4 diz: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. Isso significa: “Que o leito conjugal seja sem pecado; não peque em suas relações sexuais”. Agora vimos que o pecado é tudo o que não provém de fé. Pecado é o que você sente, pensa e faz quando não confia no que Deus disse e não descansa em suas promessas. Então a ordenança de Hebreus 13:4 pode ser declarada da seguinte maneira: Que suas relações sexuais sejam livres de qualquer ato ou atitude que não vem da fé na Palavra de Deus. Ou para colocar de uma maneira positiva: Tenha aquelas atitudes e pratique aqueles atos em suas relações sexuais conjugais que nasçam do contentamento que vem da confiança nas promessas de Deus.

Por Que Buscar Satisfação Sexual no Casamento?

Mas agora um problema emerge imediatamente. Alguém pode perguntar: “Se eu estou contente através da fé nas promessas de Deus, porque eu sequer deveria buscar a satisfação sexual?” Esta é uma boa pergunta. E a primeira resposta a isto é: “Talvez você não devesse buscar nenhuma satisfação sexual; talvez você devesse permanecer solteiro.” Isto é o que Paulo encoraja em 1 Coríntios 7:6-7. Ele diz: “De maneira nenhuma estou ordenando que todos se casem e satisfaçam desejos sexuais. O que quero dizer é que não tem nada de errado com o desejo sexual, e se uma pessoa tem um desejo irresistível, o casamento é o lugar para satisfazê-lo. Mas (versículo 7): “Quero que todos sejam [solteiros] como também eu sou; no entanto, cada um tem de Deus o seu próprio dom; um, na verdade, de um modo; outro, de outro”. Este é um versículo realmente notável. Paulo poderia querer que todos fossem como ele: livres das complicações da vida em família e do forte desejo de se casar. Mas ele sabe que esta não é a vontade de Deus: “Cada um tem de Deus o seu próprio dom”. Deus determina que algumas pessoas sejam casadas e algumas sejam solteiras. Ele não mantém a todos como Paulo; alguns ele mantém como Pedro, que levava sua esposa com ele em suas viagens missionárias (1 Coríntios 9:5). Então, a primeira resposta para a pergunta “Se possuo contentamento através da fé nas promessas de Deus, porque eu deveria buscar satisfação sexual?” é: “Talvez você não devesse. Deus pode querer que você seja solteiro”.
                Mas há uma segunda resposta para esta pergunta, a saber, o contentamento que as promessas de Deus dão não significa o fim de todos os desejos, especialmente desejos corporais. Mesmo Jesus, cuja fé foi perfeita, teve fome e desejou comer, e se cansou e desejou descansar. O apetite sexual está na mesma categoria. O contentamento da fé não o remove da mesma maneira que não remove a fome e o cansaço. O que, então, significa o contentamento em relação ao desejo sexual permanente? Penso que significa duas coisas.
  1. Se a satisfação de tal desejo é negada através do celibato, então tal negação será compensada por uma abundante porção do auxílio e da comunhão de Deus através da fé. Em Filipenses 4:11-13 Paulo disse: “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação… já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece.” Se Paulo pôde aprender a viver contente na fome, então podemos aprender a vivermos contentes se Deus escolher não nos dar satisfação sexual.
  2. A outra coisa que o contentamento significa em relação ao desejo sexual permanente é esta:  se a satisfação não é negada a nós, mas nos é oferecida no casamento, nós a buscaremos e a desfrutaremos apenas de maneiras que reflitam a nossa fé. Colocando de outra maneira, enquanto o contentamento da fé não coloca um fim em nossa fome, nosso cansaço ou no nosso apetite sexual, ele de fato transforma a maneira que cuidamos de satisfazer tais desejos. A fé não impede que nós comamos, mas impede a glutonaria; ela não impede que durmamos, mas impede que sejamos preguiçosos. Ela não impede o nosso apetite sexual, mas… Mas o que? É com isso que desejamos gastar o resto deste capítulo tentando responder, embora o espaço aqui permita apenas uma resposta parcial.

A Fé Crê que o Sexo é um Presente de Deus

Em primeiro lugar, quando o ouvido da fé ouve a palavra de 1 Timóteo 4:4 que “tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável” — quando o ouvido da fé ouve isso, ele crê. E então, a fé honra o corpo e seus apetites como bons presentes de Deus. A fé não permitirá que um casal casado deite em seu leito e diga um para o outro: “O que estamos fazendo é sujo; é o que se faz em filmes pornográficos.” Ao invés disso, a fé diz: “Deus criou este ato, e ele é bom, e ele foi criado para ‘os fiéis e para aqueles que conhecem plenamente a verdade’ (1 Timóteo 4:3)”. O mundo foi quem saqueou os presentes de Deus e os corrompeu através do mau uso. Mas eles pertencem por direito aos filhos de Deus, e então a fé não nos deixa vê-los como mundanos ou poluídos. “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”.

A Fé Liberta da Culpa do Passado

Em segundo lugar, a fé aumenta a alegria das relações sexuais no casamento porque ela liberta da culpa do passado. Tenho em vista, principalmente, aqueles de nós que somos casados mas temos de olhar para trás e ver um ato de fornicação, ou adultério, ou incesto, ou uma aventura homossexual, ou anos de masturbação habitual, ou preocupação com pornografia, ou carícias promíscuas, ou divórcio. E o que eu tenho a dizer a nós é isto: Se, pela graça de Deus, você sente em seu íntimo a vontade de se atirar na misericórdia de Deus para o perdão, então ele lhe livrará da culpa do passado.
“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).
“Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça” (Romanos 4:5).
“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade” (Salmo 32:1-2).
“[Deus] não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” (Salmo 103:10-12).
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9).
Não há nenhuma necessidade de um filho de Deus carregar qualquer culpa para o leito conjugal. Mas isso requer uma fé sólida, pois Satanás adora fazer com que não nos sintamos perdoados pela podridão de nossa vida anterior.  “Resisti-lhe firmes na fé” (1 Pedro 5:9). “Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno” (Efésios 6:16) — fé no Filho de Deus que amou você e deu a si mesmo por você (Gálatas 2:20), que por amor de você foi feito pecado para que você se tornasse justiça de Deus (2 Coríntios 5:21), que carregou seus pecados em seu corpo na cruz (1 Pedro 2:24). Lance mão de seu perdão, e leve-o com você para seu leito conjugal.
                Cristo morreu pelo seu pecado para que nele você tenha relações sexuais livres de culpa no casamento.
                Agora deixe-me esclarecer algo que eu disse antes, a saber, que ainda que a culpa de nosso pecado possa ser lavada, algumas cicatrizes permanecem. Posso imaginar um casal logo antes de seu noivado sentados em um parque. Ele vira para ela e diz: “Eu tenho algo a dizer. Há dois anos atrás eu tive relações sexuais com outra garota. Mas eu estava longe do Senhor, e foi só uma noite. Eu chorei por causa daquela noite muitas vezes. Deus me perdoou, e eu espero que você possa me perdoar.” Nas semanas que seguem, não sem lágrimas, ela o perdoa, e eles se casam. E em sua primeira noite de lua de mel eles se deitam juntos, e enquanto ele olha para ela, as lágrimas se acumulam em seus olhos e ele diz: “Qual o problema?” E ela diz: “Eu só não consigo evitar pensar naquela outra garota, que ela deitou bem onde estou agora”. E anos depois, quando a novidade do corpo de sua esposa já se desgastou, ele se pega desviando sua imaginação não intencionalmente para a sensação daquela aventura de uma noite. Todos nós cometemos pecados cujos, apesar de perdoados, tornam nossa vida presente mais problemática do que se não os tivéssemos cometido.
                Mas não quer dar a impressão de que Cristo é impotente contra tais cicatrizes. Ele pode não remover todos os problemas que estas cicatrizes nos causam, mas ele prometeu trabalhar até mesmo através destes problemas pelo nosso bem se o amamos e somos chamados segundo seu propósito.
                Tome por exemplo nosso casal imaginário que acabei de descrever. Eu prefiro pensar que houve um final feliz. Eles chegaram eventualmente a um relacionamento sexual satisfatório porque eles o trabalharam abertamente em constante oração e confiança na graça de Deus. Eles falaram a respeito de seus sentimentos. Não mantiveram nada reprimido. Confiaram um no outro e ajudaram um ao outro, e conseguiram paz e harmonia sexual e, acima de tudo, novas dimensões da graça de Deus.
                Cristo morreu não apenas para que nele pudéssemos ter relações sexuais livres de culpa no casamento, mas também para que ele pudesse então, mesmo através de nossas cicatrizes, nos conduzir a algum bem espiritual.

A Fé Usa o Sexo Como uma Arma Contra Satanás

A terceira coisa que podemos dizer agora a respeito da fé e das relações sexuais no casamento é que a fé usa o sexo contra Satanás. Olhe para 1 Coríntios 7:3-5.
O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher. Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.
Em Efésios 6:16, Paulo diz que devemos resistir a Satanás com o escudo da fé. Eis aqui o que ele diz para os que são casados: “Resistam a Satanás com suficientes relações sexuais. Não se abstenham por muito tempo, mas se ajuntem logo, para que Satanás não ganhe nenhuma posição”. Bem, como assim? Nós nos protegemos de Satanás com o escudo da fé ou o escudo do sexo?
                A resposta para pessoas casadas é que a fé faz uso da relação sexual como um meio de graça. Para as pessoas que Deus leva ao casamento, as relações sexuais são um meio ordenado por Deus de vencer a tentação do pecado (o pecado do adultério, o pecado da fantasia sexual, o pecado da leitura pornográfica, etc.). A fé humildemente aceita tais presentes e oferece graças.
                Agora note algo mais em 1 Coríntios 7:3-5. Isto é muito importante. No versículo 4, Paulo diz que o homem e a mulher têm direitos sobre o corpo um do outro. Quando os dois se tornam uma carne, seus corpos estão à disposição um do outro. Cada um tem o direito de exigir direitos sobre o corpo do outro para satisfação sexual. Mas o que precisamos de fato ver é o que Paulo ordena nos versos 3 e 5 em vista destes direitos mútuos. Ele não diz: “Então reivindique seus interesses! Receba seus direitos!” Ele diz: “Marido, dê a ela o que lhe é devido! Esposa, dê a ele o que lhe é devido!” (v. 3). E no versículo 4: “Não recusem um ao outro”. Em outras palavras, ele não encoraja o marido ou a esposa que deseje satisfação sexual a se apropriar de tal sem se preocupar com as necessidades do outro. Ao invés disso, ele encoraja tanto o marido quanto a mulher a sempre estar pronto a dar seu corpo quando o outro o quiser”.
                Faço uma inferência a partir disto e a partir do ensinamento de Jesus em geral que relações sexuais felizes e satisfatórias no casamento dependem de cada parceiro ter o objetivo de dar satisfação ao outro. Se a alegria de cada um é fazer o outro feliz, uma centena de problemas serão resolvidos.
                Maridos, se a sua alegria é trazer satisfação a ela, você será sensível a o que ela precisa e deseja. Você aprenderá que a preparação para uma relação sexual satisfatória às 10 da noite começa com palavras doces às 7 da manhã e continua ao longo do dia com carinho e respeito. E quando chega a hora, você não virá como um tanque de guerra, mas conhecerá o ritmo dela e com destreza a acompanhará neste ritmo. A menos que ela lhe dê o sinal, você dirá: “O objetivo é o clímax dela, não o meu”. E você descobrirá no longo prazo que mais bem aventurado é dar do que receber.
                Esposas, não é este sempre o caso, mas acontece com frequência, que seus maridos desejam relações sexuais mais frequentemente do que vocês. Martinho Lutero disse que ele achava que duas vezes por semana dava uma ampla proteção contra o tentador. Eu não sei se Katie estava disposta para toda vez ou não. Mas se você não estiver, dê-lhe isso assim mesmo. Eu não digo aos maridos: “Tome assim mesmo”. De fato, por amor dela, pode ser que você fique sem. O objetivo é vencerem um ao outro em dar o que o outro deseja. Ambos, tornem seu objetivo satisfazer um ao outro o mais plenamente possível.
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. Ou seja, não peque em suas relações sexuais. E isso significa, tenha apenas aquelas atitudes e pratique apenas aqueles atos que vêm da fé nas promessas de Deus, que são criadoras de esperança. Nós todos deveríamos regularmente nos perguntarmos: “O que estou sentindo ou fazendo tem suas raízes no contentamento da fé ou na ansiosa insegurança da descrença?” Isso lhe ajudará em centenas de pequenas e grandes decisões éticas.
Eu simplesmente tentei demonstrar o impacto da fé em três aspectos das relações sexuais no casamento. Primeiro, a fé crê em Deus quando ele diz que as relações sexuais no casamento são boas e limpas e devem ser recebidas com ações de graças por aqueles que creem e conhecem a verdade. Segundo, a fé aumenta a alegria das relações sexuais no casamento porque ela liberta da culpa do passado. A fé crê na promessa de que Cristo morreu por todos os nossos pecados, que nele podemos ter relações sexuais livres de culpa no casamento. E finalmente, a fé empunha a arma da relação sexual contra Satanás. Um casal casado dá uma severa pancada na cabeça daquela antiga serpente quando ambos têm o objetivo de dar tanta satisfação sexual ao outro quanto possível. Isso me faz apenas querer louvar ao Senhor quando penso que no topo de toda a alegria que o lado sexual do casamento traz, ele também prova ser uma temível arma contra nosso antigo adversário.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/11/preparando-se-para-o-casamento-relacoes-sexuais-no-casamento/#ixzz2Chq2CPEz




Divulgação:


Mais de 100 mil se manifestam contra casamento gay na França

Mais de 100 mil se manifestam contra casamento gay na França
http://opusreformata.blogspot.com.br/2012/11/mais-de-100-mil-se-manifestam-contra.html

domingo, 4 de novembro de 2012

Preparando-se para o Casamento – Perguntas para Fazer Quando se Está se Preparando Para o Casamento


Preparando-se para o Casamento – Perguntas para Fazer Quando se Está se Preparando Para o Casamento


Nesta série, teremos cinco postagens voltadas àqueles que desejam casar. Depois, um ebook será disponibilizado com todas as postagens reunidas. Esperamos que este seja um material abençoador para todos que anseiam pelo casamento.

Em cada uma destas seções, um item poderia ser adicionado que eu não listei, a saber, “Como você lida e vive com as diferenças? Como você decide o que pode continuar como diferença sem comprometer o relacionamento?” Então, conforme você lida com cada subtítulo, inclua isto na discussão.

Teologia

Em que você crê a respeito de… tudo?
Talvez seja bom ler a Confissão de Fé do Voltemos ao Evangelho[*] para ver onde cada um está em diversas doutrinas bíblicas.
Descubra como você estabelece seus pontos de vista. Qual é o processo de razão e crença? Como você lida com a Bíblia?

Adoração e Devoção

Quão importante é o culto congregacional? E quanto a outros tipos de participação na vida eclesiástica?
Quão importante é fazer parte de um pequeno grupo de suporte e distribuição de responsabilidades?
Qual é a importância da música na vida e no culto?
Quais são as suas práticas devocionais diárias? (oração, leitura, meditação, memorização)
Como seriam nossas devocionais em família? Quem liderará?
Estamos fazendo isso agora de uma maneira apropriada (orando juntos sobre nossas vidas e nosso futuro, lendo a Bíblia juntos)?

Marido e Mulher

Qual é o significado de direção e submissão na Bíblia e em nosso casamento?
Quais as expectativas sobre situações onde um de vocês pode estar sozinho com alguém do sexo oposto?
Como as tarefas são compartilhadas no lar (finanças, limpeza, cozinha, lavar louça, jardinagem, manutenção do carro, reparos, compras de mercado, e coisas da casa)?
Quais são as expectativas para a intimidade do casal?
O que é uma noite comum ideal?
Como você entende quem toma a iniciativa no sexo e com que frequência?
Quem cuida das finanças? Ou a vida financeira será separada?

Filhos

Se e quando deveríamos ter filhos? Por que?
Quantos?
Com qual distância de tempo entre um e outro?
Consideraríamos a adoção?
Quais são os padrões de comportamento?
Quais são as maneiras apropriadas para discipliná-los? Quantos avisos antes que eles sejam… o que for?
Quais são as expectativas de tempo gasto com eles e quando eles vão para a cama?
Como demonstrar afeto a eles?
E quanto à escola? Estudarão em casa? Em uma escola cristã? Na escola pública?

Estilo de vida

Ter casa própria ou não? Por que?
Qual o tipo de vizinhança? Por que?
Quantos carros? Novos? Usados?
Como lidar com dinheiro em geral? Quanto vai para a igreja?
Como você toma decisões financeiras?
Onde vocês irão comprar roupas? Lojas de departamento? Liquidação? Meio termo? Por que?

Entretenimento

Quanto dinheiro deveríamos gastar em entretenimento?
Com que frequência deveríamos comer fora? Onde?
Que tipo de férias são apropriadas e úteis para nós?
Quantos brinquedos? Snowmobile, barco, barraca?
Devemos ter uma televisão? Onde? O que é adequado assistir? Por quanto tempo?
Quais são os critérios para filmes e cinema? Quais serão nossas regras para as crianças?

Conflito

O que lhe deixa nervoso?
Como você lida com sua frustração ou raiva?
Quem deve levantar uma questão que seja desagradável?
E se ambos discordarmos sobre o que deve ser feito e se isso é sério?
Nós vamos dormir brigados um com o outro?
Qual a nossa visão sobre obter ajuda de amigos ou conselheiros?

Trabalho

Quem é o principal mantenedor da família?
A esposa deve trabalhar fora? Antes dos filhos? Com os filhos em casa? Após os filhos?
Quais as suas opiniões sobre creche para os filhos?
O que determina onde vocês se estabelecerão? O trabalho? O trabalho de quem? Igreja? Família?

Amigos

É bom fazer coisas com os amigos, mas sem o cônjuge?
O que vocês farão se um de vocês realmente gosta de sair com alguém que o outro não gosta?

Saúde e Doença

Você tem, ou já teve, doenças ou problemas físicos que poderiam afetar nosso relacionamento? (alergias, câncer, distúrbios alimentícios, doença venérea, etc.)
Você crê em cura divina, e como a oração se relacionaria com a atenção médica?
O que você pensa sobre se exercícios e alimentação saudável?
Você tem quaisquer hábitos que afetem prejudicialmente a saúde?



[*]No original, a Confissão de Fé do Desiring God, que se encontra aqui (em inglês): http://www.desiringgod.org/about/our-distinctives/affirmation-of-faith. [N. do T.]

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/11/preparando-se-para-o-casamento-perguntas-para-fazer-quando-se-esta-se-preparando-para-o-casamento/#ixzz2BGhyOCPc





Divulgação:


sábado, 3 de novembro de 2012

Aprenda conosco a estratégia petista, socialista e esquerdista para DETONARMOS a família tradicional e cristã e criarmos uma uma nova forma de família que permitem a Pedofilia, Incesto, Adultério, Homossexualismo, Lesbianismo e Relações de vários "maridos" e "esposas".


Revolução gramsciniana: novo conceito de família


Heitor Buchaul

O famigerado teórico comunista italiano Antônio Gramsci (1891-1937) desenvolveu o conceito de que a tomada do poder deveria ser precedida por uma mudança na mentalidade das pessoas.
Com essa nova visão, os intelectuais passam a ser os combatentes, o ensino se torna a arma mais importante, e a escola se transforma no campo de batalha.
Para Gramsci, as massas deveriam livrar-se dos “preconceitos e tabus” que faziam parte da visão do mundo da classe dominante.
Não é preciso ser um grande intelectual ou um sociólogo para concluir que, a partir de uma análise da situação atual, o ensino vem se tornado cada vez mais gramsciniano. Exemplo disso são as cartilhas de educação sexual difundidas em diversos países, bem como a questão do gênero, segundo a qual as crianças de ambos os sexos devem ter entre si um tratamento indefinido e igualitário livre de todo paradigma, e possam escolher livremente a própria sexualidade e o modo de vivê-la.
É interessante analisarmos nesse contexto a crítica feita pela atual ministra dos direitos das mulheres e porta-voz do governo francês, Najat Vallaud-Belkacem, de origem marroquina, sobre os manuais escolares: “Hoje, esses manuais ignoram obstinadamente a orientação LGBT (lésbicas, gays, bi e trans) de figuras históricas ou autores, mesmo quando essa orientação explica uma grande parte de seu trabalho, como no caso de Rimbaud [...] seria útil para as famílias homoparentais serem representadas nas campanhas de comunicação do governo em geral, a fim de banalizar esse fato, tornando-o mais popular.”
A ministra sabe bem que defender isso no seu país de origem ou nos demais países islâmicos é simplesmente impensável. E que é este um dos pontos pelos quais os muçulmanos caçoam do Ocidente e ameaçam conquistá-lo, pois nele todas as aberrações não são apenas permitidas, mas são punidos aqueles que ousam agir em sentido contrário…
A ministra promete recorrer à Missão Interministerial de Vigilância e Luta Antisectária (Miviludes) “para pôr fim a estes verdadeiros abusos que são as ‘terapias de transição’”. Essas terapias, que podem evitar que pessoas com tendência homossexual caiam no abismo moral.[1]
Por fim, ela acrescenta: “A França sustentará o discurso político pela despenalização universal da homossexualidade e vamos colocar nosso aparelho diplomático em movimento para exigir uma resolução das Nações Unidas neste sentido. Vou trabalhar em nível europeu para que a União Europeia adote medidas e orientações contra a homofobia”.
Este discurso da ministra reflete o pensamento dos pretensos defensores da democracia e da liberdade, para os quais uma pessoa não tem o direito de tentar reverter a sua tendência desordenada, mas o Estado, sim, tem o dever de empregar sua máquina para mudar a maneira de pensar dos cidadãos, forçando-os a aceitar o novo tipo de “família” que se quer implantar. São palavras dignas daqueles mesmos revolucionários que, para derrubar o trono e o altar, gritavam: “igualdade, liberdade, fraternidade ou morte”, porém transpostas para o século XXI, onde o objetivo é liquidar de vez com a instituição da família através de um incentivo constante às relações estéreis e antinaturais.
A isso muito se presta a teoria gramsciniana, que propõe através do ensino mudar as concepções e mentalidades tradicionais, criando novas gerações totalmente vulneráveis aos erros revolucionários e prontas para realizar o velho sonho dos inimigos de Deus, ou seja, a destruição da própria Humanidade.
____________
[1] O que causa indignação à ministra, talvez indignasse também o ex-presidente da mesma Miviludes, que está ameaçado pela Justiça com prisão por caluniar leviana e gravemente a Sociedade Francesa de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP).
_________
(*) Heitor Buchaul é colaborador da Agência Boa Imprensa (ABIM)

Fonte: http://ipco.org.br/home/noticias/revolucao-gramsciniana-novo-conceito-de-familia

Divulgação: